Itambé é vendida para empresa francesa Lactalis

Itambé é vendida para empresa francesa Lactalis

A Itambé Alimentos S.A, tradicional laticínio de Minas Gerais, foi vendida ao grupo francês Lactalis, maior produtor de lácteos do mundo, por meio de acordo com a Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR).

Em setembro, a cooperativa havia anunciado em setembro ter retomado 100% do capital da empresa mineira.

Em nota divulgada nessa terça-feira (5), a CCPR informou que a aquisição, sujeita à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), deverá ser concluída no primeiro semestre de 2018.

O valor do negócio, que sai do comando, ainda que compartilhado, dos produtores rurais depois de 69 anos de existência da marca, não foi divulgado.
Continua depois da publicidade

Há pouco mais de dois meses, a CCPR comunicou ter exercido o seu direito de preferência à compra da exercido o seu direito de preferência à compra da participação adicional de 50% no capital da Itambé que pertencia à Vigor, à época também vendida pelo grupo JBS. Segundo informações que circularam no mercado financeiro, no entanto, a companhia tentou viabilizar os recursos para fechar o negócio e chegou a buscar ajuda do governo de Minas.

Ainda segundo a nota, CCPR e o grupo Lactalis firmaram “parceria estratégica para criar o líder nacional em produtos lácteos”. O acordo prevê a aquisição, pelo Grupo Lactalis, de 100% das ações da Itambé Alimentos S.A. (“Itambé”) e um acordo de fornecimento de leite de longo prazo da CCPR para a Itambé, com vistas a preservar e permitir o crescimento das bacias leiteiras de Minas Gerais e Goiás. Desde que reassumiu a totalidade do capital da Itambé, a CCPR vinha buscando recursos para concretizar a operação.

“Este é um dia histórico para a CCPR que, após retomar o controle da Itambé, pôde escolher o melhor parceiro para o futuro. Estamos convictos de que nossa parceria com o Grupo Lactalis fará com que a Itambé retome sua trajetória de sucesso, crescimento e rentabilidade, beneficiando seus consumidores, as cooperativas associadas da CCPR e seus mais de 6 mil produtores de leite”, afirmou o diretor-presidente da CCPR, Marcelo Candiotto”.

Lactalis

Fundado há 84 anos na França, o grupo Lactalis é o maior produtor de lácteos do mundo, com operações em 85 países, mais de 75 mil funcionários e receita superior a 17 bilhões de euros por ano. No Brasil desde 2011, o grupo Lactalis chegou ao país com a compra dos ativos da BRF, quando esta decidiu deixar de atuar no setor de lácteos. O grupo francês atua no país com as marcas Batavo, Elegê, Parmalat, Président, Poços de Caldas e Balkis, entre outras.

Concorrência

Segundo nota distribuída também nessa terça-feira, a Lactalis, que capta leite em todo o Brasil, tem presença marcante no Sul do país, contando com mais de 10 mil produtores de leite em suas bacias leiteiras no Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina e, portanto, a aquisição da Itambé trará grande complementariedade geográfica para suas operações no Brasil.

Na realidade, os franceses são fortes em leite longa vida e queijos, mas perdem para Danone e Nestlé em produtos de maior valor agregado, como o iogurte. Com a Itambé, os franceses reforçam posição no leite em pó e no segmento de leite condensado.

Com a compra da Itambé, a Lactalis se torna a maior compradora de leite do país, superando a suíça Nestlé. Em 2016, a Lactalis captou 1,62 bilhão de litros, ante 1,69 bilhão de litros da Nestlé, e 1,1 bilhão de litros da CCPR/Itambé, segundo ranking da associação do setor.

FONTE

PARA 2019: Nova CNH terá chip e integração com outros países

PARA 2019: Nova CNH terá chip e integração com outros países

Com o objetivo de oferecer soluções mais seguras e modernas à população brasileira, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) do Ministério das Cidades, lança a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em formato de cartão inteligente. O documento, que hoje é emitido em papel, passa a ser em suporte de cartão plástico, do tipo policarbonato, contendo um chip com diversas informações .

Segundo o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, a medida é benéfica para todos, uma vez que proporcionará maior segurança e possibilitará integração com outros países. “Buscamos a modernização, inovação como muitos países já adotaram para aumentar a segurança, reduzir a probabilidade de ocorrência de fraudes e aumentar a durabilidade”, explicou o ministro.

Até 1º de janeiro de 2019 os órgãos e entidades executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal deverão adequar seus procedimentos para adoção do novo modelo da CNH estabelecido em Resolução que será publicada nesta semana, quando revogará a Resolução CONTRAN nº 598, de 24 de maio de 2016, que regulamenta a produção e a expedição da CNH com novo layout e requisitos de segurança.

Novo modelo

O Contran contou com o suporte técnico do Centro de Pesquisa em Arquitetura da Informação (CPAI) da Universidade de Brasília (UNB), que elaborou um “Estudo de Impacto da Mudança da CNH”, que recomendou a alteração do modelo do documento, sugeriu o uso de cartão inteligente, também conhecido como smart cad que assemelha-se a um cartão de crédito convencional, com gravação a laser dos dados variáveis e com chip.

Além da resistência e alta durabilidade, a nova CNH considera a possibilidade de inserção de dados e informações relativos aos condutores nos chips embarcados, bem como facilitar acesso a certificados digitais. Ela amplia as possibilidades de utilização dos documentos, a consulta e verificação de inúmeros dados.

Serviços Possíveis com a nova CNH

A nova CNH em “cartão inteligente” será equipada com um chip sem contato, de protocolo aberto e não proprietário, independente de software e hardware, tecnologia de leitura de dados presente nos smartphones.

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) controla as chaves de acesso aos dados gravados no chip e pode permitir, através de convênio, que outras entidades públicas ou privadas utilizem “pastas ou aplicações específicas” dentro do chip, sem correr o risco de leitura ou gravação indevida de dados protegidos/sigilosos.

Algumas possibilidades:

1) Fiscalização mais rápida e off line (sem o uso de dados) utilizando telefones celulares
2) Pagamento de pedágio
3) Pagamento de transporte público
4) Controle de acesso (prédios públicos, universidades, estacionamentos, etc..)
5) Identificação através de comparação biométrica (as digitais estarão carregadas dentro do chip e poderão ser usadas para validar a identidade em bancos, serviços públicos, e-Governo, etc..)

Com informações do Ministério das Cidades

FONTE

Minas Comunica II democratiza o acesso ao sistema de telefonia móvel no estado

Minas Comunica II democratiza o acesso ao sistema de telefonia móvel no estado

O Governo de Minas Gerais avança de forma acelerada para assegurar a universalização do acesso à telefonia móvel no interior do estado. De 2015 para cá, mais de 400 distritos foram contemplados com antenas de transmissão 3G dentro do programa Minas Comunica II.

Ao todo, 652 distritos mineiros já contam com o sistema de telefonia celular, beneficiando população estimada de mais de 1 milhão de pessoas em todos os Territórios de Desenvolvimento.

Governo do Estado trabalha para incorporar outros 80 distritos ao Minas Comunica II – Crédito: Divulgação/Detel-MG

A expectativa é de que o Minas Comunica II atenda 688 distritos até 2018. As 36 localidades que ainda não receberam o sistema de telefonia móvel dependem, na maioria dos casos, de avanços na liberação do licenciamento ambiental.

Além destes casos, o Estado trabalha para incorporar outros 80 distritos ao Minas Comunica II e, dessa maneira, levar a inclusão digital para tantos outros mineiros e mineiras desassistidos por este tipo de tecnologia.

O diretor-geral do Departamento Estadual de Telecomunicações (Detel), José Francisco Vieira Seniuk, explica que o Minas Comunica II é um programa complementar a uma ação do Governo Federal que visa implantar o sistema de telefonia celular nos municípios.

“Nosso programa vai além das cidades, vai para mais longe, chegamos aos distritos”, destaca. “A regulamentação federal existente leva o sinal 3G para os municípios, mas não contempla os distritos. E nesse ponto que o nosso programa atua”, esclarece Seniuk.

Para o diretor-geral da Detel, um dos principais benefícios da iniciativa é o impulso ao desenvolvimento econômico das localidades contempladas.

“Vamos ensiná-los a usar a tecnologia 3G para os negócios, para abrir uma empresa ou fazer um site. Sem contar que ela facilita o acesso aos serviços do Governo, como o MG App. Por meio do aplicativo, o cidadão pode fazer diversas solicitações. Atualmente, é importante canal de comunicação entre o Governo e a sociedade e precisamos colocá-lo a serviço de todos”, defende Seniuk.

“O principal benefício é a geração de desenvolvimento econômico para os distritos de Minas Gerais. A gente tem estudos que demonstram o impacto do sinal de telefonia celular na evolução da região. Na medida em que você disponibiliza este tipo de serviço para a população, ela vai fomentar o aparecimento de novos comércios, vai facilitar, por exemplo, a negociação de uma pousada de distritos turísticos”, aponta o superintendente em Governança Eletrônica, Rodrigo Diniz Lara.

O MG APP está disponível para download e instalação para os sistemas Android e iOS. Hoje, mais de 220 mil pessoas já estão usando o celular para checar dados no Detran/MG, consultar contas da Cemig e da Copasa, agendar horário nas Unidades de Atendimento Integrado (UAIs), entre outros serviços.

A favor da comunidade

Contrato e Padre Afonso, dois distritos de Itamarandiba, no Território Alto Jequitinhonha, estão entre as localidades beneficiadas pelo Minas Comunica II. A pedagoga Patrícia de Souza, moradora de Contrato, comenta como que a chegada da tecnologia 3G mudou a rotina do local.

“É uma tecnologia inovadora que a gente não consegue viver mais sem ela. Hoje em dia você estuda através dela, paga uma conta, sem contar que dá para matar a saudade de quem está longe. Facilitou muito a nossa vida por aqui”, relata a pedagoga.

A agente comunitária de saúde no distrito de Padre Afonso, Gilmara Soalheiro de Freitas, também enaltece as mudanças advindas da chegada do novo sistema de telecomunicação. “Facilitou muito a minha vida particular e profissional. Às vezes ficávamos sem comunicação nenhuma e deixávamos de resolver muitos problemas por isso. Agora, isso já não acontece mais e podemos desenvolver melhor a vida da gente”, destaca.

Clique aqui e acesse o mapa que mostra todos os 652 distritos que já foram contemplados com a implantação do sistema de telefonia celular 3G.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas Gerais inicia quarta fase de projeto de integração aérea

Governo de Minas Gerais inicia quarta fase de projeto de integração aérea

O Governo de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e da Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop), dá início à quarta fase do Voe Minas Gerais, Projeto de Integração Regional – Modal Aéreo.

A partir de 7 de agosto, duas novas cidades passam a receber voos para o Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte: Paracatu e Salinas. O projeto também retorna ao município de Patos de Minas, já atendido em fases anteriores.

Outra novidade da fase é que Teófilo Otoni, destino mais procurado no projeto, terá voos diretos para Belo Horizonte todos os dias, de segunda a sexta-feira.

Paracatu, no Noroeste do Estado, é um importante polo de mineração e de produção agropecuária. A cidade de Salinas, notória pela fabricação de cachaças, terá voos de acesso à capital e a Araçuaí, conectando o Vale do Jequitinhonha e o Norte de Minas Gerais.

A rota de Patos de Minas havia sido suspensa em junho deste ano devido ao início do fornecimento do serviço na cidade por uma empresa privada. Descontinuada a atividade da iniciativa privada, a operação na rota, que havia apresentado bons resultados anteriormente, foi restabelecida pelo Voe Minas Gerais.

O “hub” de voos no Território Norte, que conectava os municípios de Montes Claros, Salinas e Jaíba, não apresentou procura e média de ocupação suficientes para manutenção do projeto nas localidades e será suspenso. O atendimento do Voe Minas Gerais está sendo redirecionado às cidades que apresentaram maior demanda por serviço aéreo nas fases anteriores do projeto.

Os 18 municípios atendidos na quarta fase são: Almenara, Araçuaí, Araxá, Belo Horizonte, Diamantina, Juiz de Fora, Manhuaçu, Paracatu, Passos, Patos de Minas, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Salinas, São João del-Rei, Teófilo Otoni, Ubá, Varginha e Viçosa.

O Voe Minas Gerais é uma iniciativa de fomento ao transporte aéreo regional que tem como fundamento a flexibilidade das rotas, que são desenvolvidas e adaptadas para atender às demandas locais.

A malha completa e as passagens do projeto podem ser obtidas pelo site www.voeminasgerais.com.br.

Voe Minas Gerais

O Voe Minas Gerais foi lançado em agosto de 2016, ligando 12 cidades mineiras ao Aeroporto da Pampulha, na capital. Em novembro do ano passado, outras cinco cidades foram incluídas às rotas, que passaram a ter, além de voos diretos para Belo Horizonte, opções de escala, com voos que ligam os municípios do interior entre si.

Em junho deste ano, o projeto iniciou sua terceira fase, ampliando a atuação no Vale do Jequitinhonha e chegando ao Norte do estado.

Os voos são realizados em aeronaves Cessna Grand Caravan 208 B, que transportam até nove passageiros. O valor das passagens varia de R$ 130 a R$ 700, de acordo com a distância percorrida.

O projeto busca fomentar os negócios locais, desenvolver o turismo, integrar as diversas regiões do estado e facilitar o deslocamento de moradores do interior para Belo Horizonte, permitindo que tenham acesso rápido a eventos e serviços disponíveis na capital.

Para Minas Gerais, que possui uma área total de quase 600 mil quilômetros quadrados, o investimento na regionalização por meio do transporte aéreo é estratégico para atender a meta de redução das desigualdades nos 17 territórios de desenvolvimento estabelecidos pelo Governo do Estado.

Segundo informações da Secretaria Nacional de Aviação Civil (Anac), Minas Gerais conta com 86 aeródromos públicos. A administração, a manutenção e a exploração dos aeródromos públicos são atribuições da União.

A Setop vem trabalhando em processos de delegação União-Estado, possibilitando investimentos do Governo Estadual em reformas, melhorias e posterior delegação aos municípios ou empresas, para operação e manutenção.

Outras informações estão disponíveis em:

www.codemig.com.br

www.voeminasgerais.com.br

www.facebook.com/voeminasgerais

www.twitter.com/voeminasgerais

Fonte: Agência Minas

Carteira Nacional de Habilitação (CNH) terá versão digital a partir de fevereiro de 2018

Carteira Nacional de Habilitação (CNH) terá versão digital a partir de fevereiro de 2018

A partir de fevereiro de 2018, os motoristas de todo o país não serão mais multados caso sejam pegos dirigindo sem a Carteira Nacional de Habilitação. Isso porque o Conselho Nacional de Trânsito aprovou nesta terça-feira (25) um projeto que cria uma versão digital da CNH.

Na prática, será permitido que motoristas de todo o país se identifiquem por meio de um aplicativo de smartphone. Apesar da novidade, a CNH tradicional seguirá sendo impressa normalmente. “Estamos dando um passo à frente, desburocratizando o processo. Há um conjunto de padrões técnicos para suportar um sistema criptográfico que assegura a validade do documento. Com isso, quem esquecer a CNH em casa, não estará sujeito à multa e pontos na carteira. Basta apresentar o documento digital”, diz Bruno Araújo, Ministro das Cidades.

Assim, seguirá sendo obrigatório dirigir portando a CNH, seja ela impressa ou no aplicativo online. Para se certificar de que aquele documento virtual é válido, policiais e agentes de trânsito utilizarão um sistema de assinatura com certificado digital ou de leitora de códigos QR. Por enquanto, porém, este aplicativo ainda está em fase de testes.

Fonte: G1

Algar Telecom estuda viabilidade de instalação de sinal 3G em comunidades rurais de Vazante

Algar Telecom estuda viabilidade de instalação de sinal 3G em comunidades rurais de Vazante

O diretor de relacionamento da Algar Telecom, Gerson Sebastião de Souza, respondeu o Requerimento nº 013/2017, aprovado pela Câmara Municipal, no qual o vereador Gilnei Cabeceira (PP) reivindica melhorias do sinal de internet da CTBC nas comunidades de Bagres, Gameleira, Cabeludo, Biboca, Brejinho, Vazamor, Rio Escuro, Conceição de Santa Cruz e Brejo Grande.

No documento, o parlamentar cobra a instalação do sistema 3G na região e lamenta que, em plena era digital, os moradores das citadas localidades não tenham a acessibilidade necessária às novas tecnologias da comunicação.

Em resposta ao parlamentar, Gerson de Souza informou que o requerimento já foi encaminhado às áreas comercial e técnica da empresa para estudos da viabilidade de atendimento da reivindicação.

Conforme a Algar Telecom, o pedido do vereador Gilnei Cabeceira é pertinente e, caso o estudo de viabilidade seja positivo, a empresa vai planejar o atendimento desta demanda para o próximo exercício orçamentário.

Fonte: Camara Municipal de Vazante