Polícia encontra ossada humana na MGC-354

Polícia encontra ossada humana na MGC-354

Na tarde desta terça-feira (22), uma ossada humana foi encontrada às margens de uma mata na altura do Km 173 da MGC-354, a 1 km de distância da 10ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito, no anel viário de Patos de Minas.

Segundo o tenente Gilberto, durante um serviço de manutenção de cisterna, o funcionário de uma fazenda deparou-se com os restos mortais humanos no matagal e acionou a Polícia Militar.

A Perícia da Polícia Civil esteve no local, porém não soube precisar ainda a idade da vítima, que usava dentadura e trajava uma camisa azul, bermuda amarela com cinto e boné bege. No local foi encontrado um corote de pinga, uma porção de veneno (chumbinho) e água.


A principio, a Perícia acredita que a vítima tenha falecido cerca a cerca de 30 dias. A Polícia Civil e Polícia Militar trabalham no intuito de identificar a vítima e descobrir as causas da morte.

Mais um motorista imprudente cai dentro do Córrego do Monjolo

Mais um motorista imprudente cai dentro do Córrego do Monjolo

Um acidente na Avenida Fátima Porto na noite da segunda-feira, 21/08, deixou um motociclista de 21 anos ferido. Ele perdeu o controle da direção e bateu na grade de proteção. A motocicleta, uma Fazer 600 cilindradas, foi parar dentro do Córrego do Monjolo.

O acidente aconteceu por volta de 20h40. Testemunhas informaram que o jovem seguia pela Avenida Fátima Porto em direção à Avenida J.K e perdeu o controle da direção ao se aproximar do cruzamento com a rua 5 de maio. As causas do acidente ainda serão investigadas.

Um motorista que passava pelo local disse que havia um veículo transitando pela Rua 5 de Maio que cruzou a Avenida. Entretanto, ele não soube informar se este veículo teria sido o causador do acidente. O condutor não parou no local. Outra testemunha, disse que o motociclista perdeu o controle sozinho.

Depois de bater na grade de proteção, a motocicleta despencou dentro do Córrego do Monjolo. O motociclista parou na grade. Lucas Teodoro de Souza foi socorrido pelo Samu e encaminhado para o Hospital Regional com suspeita de fratura na perna e no braço.

Fonte: Patos Hoje

Professor emite nota de esclarecimento sobre acusações do MPF/GO

Professor emite nota de esclarecimento sobre acusações do MPF/GO

Em razão da postagem divulgada no site do MPF na cidade de Rio Verde – Goiás repercutida na imprensa local e demais mídias, acerca das acusações de SUPOSTOS crimes de assédio sexual e estupro praticados pelo professor da UFG – Regional Jataí, vem por meio desta nota esclarecer à sociedade que a indigitada denúncia ofertada no dia 16/08/2017, perante a autoridade judiciária competente, faz parte de um procedimento jurídico normal e que já era esperado pela defesa, até porque, é função institucional do  MPF. 
Entretanto, alguns fatos devem serem esclarecidos:

Primeiro lugar, que a denúncia é equivocada quando narra que os fatos supostamente ocorridos a época (04/12/2016), à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, em Goiânia, quando na verdade foi QUATRO MESES após (04/004/2017);

Segundo lugar, que é equivocada a denúncia quando narra que o Docente do curso de Medicina Veterinária usou de condição de professor orientador para cometer crimes;

Terceiro lugar, que é equivocada a denúncia quando narra que o professor alvo da denúncia está afastado pela UFG de suas atividades, quando na verdade está de licença médica;

Quarto lugar, é preceito constitucional (princípio da não culpabilidade), que toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada com a LEI;

Ressalte-se que o denunciado não foi condenado pelo MPF, até porque não é competência deste praticar tal ato, ocorrendo apenas a denúncia;

Finalizando, que o denunciado tem a plena consciência de que JAMAIS cometeu qualquer crime e que PROVARÁ a sua inocência durante a instrução processual, estando seu advogado à disposição para quaisquer esclarecimentos.
Digelson Guedes de Lima

Advogado OAB/GO 15747

MPF/GO denuncia vazantino, professor da UFG, por crimes sexuais

MPF/GO denuncia vazantino, professor da UFG, por crimes sexuais

Ministério Público Federal (MPF) em Rio Verde (GO) denunciou, na ultima quarta-feira (16), por assédio sexual e estupro de vulnerável, o professor do curso Medicina Veterinária da Universidade Federal em Goiás (UFG)/Regional Jataí, Rogério Elias Rabelo. De acordo com a denúncia, o docente, valendo-se de sua condição de professor-orientador, assediou sexualmente e estuprou uma estudante da qual era orientador.

Os assédios eram feitos por meio de abordagens presenciais e mensagens no aplicativo WhatsApp com o intuito de obter favorecimento sexual e ocorreram ao longo do ano passado, especialmente entre os meses de agosto e dezembro. Por fim, o estupro teria ocorrido na madrugada de 4 de dezembro de 2016, enquanto a aluna dormia, em um apartamento localizado em Goiânia, para onde alguns alunos foram após participação em congresso ocorrido na capital. Os fatos foram narrados, na época, à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, em Goiânia.

Durante as investigações, ficou constatado que o professor valeu-se de seu cargo público para o cometimento dos crimes sexuais. O MPF/GO pede, agora, a condenação do docente pelos crimes de assédio sexual em continuidade delitiva (art. 216-A c/c art. 71) com o crime de estupro de vulnerável (art. 217-A, § 1º), todos do Código Penal.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em razão da postagem divulgada no site do MPF na cidade de Rio Verde – Goiás repercutida na imprensa local e demais mídias, acerca das acusações de SUPOSTOS crimes de assédio sexual e estupro praticados pelo professor da UFG – Regional Jataí, vem por meio desta nota esclarecer à sociedade que a indigitada denúncia ofertada no dia 16/08/2017, perante a autoridade judiciária competente, faz parte de um procedimento jurídico normal e que já era esperado pela defesa, até porque, é função institucional do  MPF. 

Entretanto, alguns fatos devem serem esclarecidos:

Primeiro lugar, que a denúncia é equivocada quando narra que os fatos supostamente ocorridos a época (04/12/2016), à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, em Goiânia, quando na verdade foi QUATRO MESES após (04/004/2017);

Segundo lugar, que é equivocada a denúncia quando narra que o Docente do curso de Medicina Veterinária usou de condição de professor orientador para cometer crimes;

Terceiro lugar, que é equivocada a denúncia quando narra que o professor alvo da denúncia está afastado pela UFG de suas atividades, quando na verdade está de licença médica;

Quarto lugar, é preceito constitucional (princípio da não culpabilidade), que toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada com a LEI;

Ressalte-se que o denunciado não foi condenado pelo MPF, até porque não é competência deste praticar tal ato, ocorrendo apenas a denúncia;

Finalizando, que o denunciado tem a plena consciência de que JAMAIS cometeu qualquer crime e que PROVARÁ a sua inocência durante a instrução processual, estando seu advogado à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Mulher de 42 anos é encontrada morta em Vazante

Mulher de 42 anos é encontrada morta em Vazante

Na tarde desta quinta-feira, 17 de agosto, Sueli de Araújo Costa, 42 anos, foi encontrada morta em Vazante.

Segundo a Polícia Militar, uma assistente social da Prefeitura de Vazante foi fazer uma visita de rotina e por volta das 12h20 encontrou-a morta em casa. Ela estava caída com muito sangue ao redor da cabeça, porém não havia, segundo a Polícia sinais de espacamento. A Perícia Técnica foi acionada e o corpo encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade de Paracatu.

Sueli, é do norte do estado de Minas Gerais e não possui familiares em Vazante. Ela já enfrentava problemas de saúde e era usuária de drogas. O laudo do IML é aguardado para confirmação das causas da morte de Sueli.

Mãe bate em filho que andava roubando na cidade e Conselho Tutelar pede a prisão da senhora

Mãe bate em filho que andava roubando na cidade e Conselho Tutelar pede a prisão da senhora

O Conselho Tutelar da cidade de Campestre, no Maranhão, pediu a prisão da senhora Maria de Lourdes, de 66 anos. Segundo o diretor do conselho, Mario Junior de Melo, o motivo seria uma agressão cometida por dona Lourdes ao seu filho de 13 anos com as iniciais M. A. M.

Mario afirmou que  o menor, indefeso, foi agredido com golpes de sinta e foi obrigado a ficar de joelhos por 1 hora como forma de castigo.
Ao delegado, Dona Lourdes confessou que havia batido no filho, mas explicou com clareza o motivo.
“Ontem cheguei em casa e vi ele com um celular novo. Desconfiei, porque ele não trabalha. Então perguntei onde ele tinha conseguido. Ele disse que achou. Horas depois, um rapaz do mesmo bairro veio atrás do celular, dizendo que ele tinha roubado de dentro de sua casa. Então eu tive que bater nele, pois não é a primeira vez que ele apronta” Afirmou Maria de Lourdes.

Dona Lourdes foi indiciada por agressão e continua detida enquanto aguarda a presença de um advogado público, pois a mesma não tem condições de pagar um particular.

O menor também foi encaminhado para  a delegacia, mas foi liberado logo em seguida por conta de sua pouca idade.

Fonte: Lava Jato News