Minas Gerais tem intensificado as ações para minimizar a situação de desemprego no Estado e garantir novas alternativas de renda aos trabalhadores. Prova disso é que, nesta quinta-feira (1º), a Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), em parceria com o instituto Yara Tupinambá, dá início em Patos de Minas, ao curso Cooperativismo e Economia Solidária, que vai beneficiar 25 pessoas em situação de vulnerabilidade econômica e social.

O curso, ministrado por profissional do Instituto Yara Tupinambá, vai beneficiar trabalhadores que se encontram desempregados, beneficiários do Bolsa Família e do Benefício de Prestação Continuada (BPC), LGBTs, quilombolas e pessoas da área rural e candidatas ao primeiro emprego. Durante a capacitação, que será realizada até o dia 21 de julho, das 18h30 às 22 horas, na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do município, na rua Dores do Indaiá, 17, no centro da cidade, os treinandos vão ter acesso a noções básicas de português, matemática, contabilidade, empreendedorismo, cooperativismo e de economia solidária. O projeto tem parceria da Prefeitura de Patos de Minas.

Segundo a diretora regional da Sedese em Patos de Minas, Carolina Assis Cambraia Diniz Campos Rego, essa iniciativa atende às demandas apresentadas pela população durante a realização dos Fóruns Regionais de Governo, que tiveram início em 2015. “É uma resposta do Estado, oferecendo sem ônus ao município essa qualificação para a população”, enfatiza.

A diretora esteve em reunião com o prefeito José Eustáquio e o professor da UFU, Peterson Gandolfi, que explicou sobe o projeto. No início do ano, a vereadora Maria Beatriz de Castro Alves Savassi – Beia Savassi apresentou ao prefeito a ideia de parceria com o Instituto Yara Tupinambá. A partir de janeiro, a secretaria de desenvolvimento social fazia levantamento da demanda para os cursos.

Essa iniciativa da Sedese está beneficiando também, até o final de julho, cerca de 132 pessoas de outros seis municípios: Coluna, tamarandiba, Porteirinha, São João das Missões, Unaí, São Francisco e Patos de Minas. Nesses locais, dependendo da demanda já apresentada, estão sendo oferecidos cursos de cuidador de idosos, tópicos de cabelereiro, operador de caixa, tópicos de assistente administrativo, auxiliar de manutenção predial, além de cooperativismo e economia solidária.

“É uma forma alternativa de renda aos trabalhadores, de oferecer novas oportunidades. O município está empenhado, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, em fortalecer políticas de trabalho, emprego e renda. Para isso, o governo municipal tem contado com a parceria da Diretoria Regional da Sedese, que tem orientado para que o município crie os conselhos municipais de Trabalho, Emprego e Renda e os de Economia Solidária, e assessorado na elaboração desse plano municipal de políticas de trabalho, emprego e renda”, salienta Carolina Assis.

Voltado principalmente para o agronegócio, principalmente a plantação das culturas de milho – é considerada a “capital do milho” – e da soja, Patos de Minas tem se empenhado para garantir a empregabilidade desses profissionais que estão se qualificando em outras áreas. A diretora regional da Sedese conta que recentemente se encontrou com o prefeito José Eustáquio Rodrigues, com o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Eurípedes Donizete de Oliveira, e com o professor Peterson Gandolfi, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), quando discutiram a necessidade da criação de políticas públicas de trabalho emprego e renda para o município.

“Esse curso que a Sedese está realizando vem trazer essa ideia de cooperativismo para o Alto Paranaíba, onde não é forte essa característica. Ele vem como uma alternativa de renda, nesse momento em que o emprego formal está cada dia mais escasso. É um incentivo para fomentar o cooperativismo, o associativismo e a economia solidária na região”, disse.

Carolina Assis lembra também que a Diretoria Regional da Sedese está fechando uma parceria com a Universidade Federal de Uberlândia (UFU) – Campus Patos de Minas e com o Centro Universitário de Patos de Minas (Unipam) para garantir um suporte técnico na área de incubação de empreendimentos de economia popular solidária a essas pessoas que fizeram o curso, que servirá inclusive para a abertura de negócios próprios.

Fonte: Patos Agora