Em regiões do Triângulo Mineiro e do Alto Paranaíba está sendo realizada a operação “Isonomia”, responsável por apurar crimes de organização criminosa, tráfico de influência, corrupção passiva, corrupção ativa e lavagem de dinheiro por parte de Prefeituras Municipais da região. Segundo o Ministério Público, diversas contratações ilegais se davam mediante inexigibilidade de licitação por escritórios de advocacia situados em Uberlândia.

Nesta manhã de terça-feira, 23/05, estão sendo cumpridos sete mandados de busca e apreensão e um mandado de condução coercitiva nas cidades de Uberlândia, Canápolis, Carmo Paranaíba e Presidente Olegário. A operação conta com a participação de 45 policiais militares e rodoviários federais, 12 viaturas policiais e quatro promotores de justiça.

Entre esses mandados, o Ministério Público efetua busca e apreensão na casa do ex-prefeito de Presidente Olegário, Antônio Claudio Godinho. O promotor Paulo César de Freitas acompanha o trabalho, onde diversos documentos foram apreendidos e duas pessoas autuadas em flagrante delito, uma por corrupção passiva e oura por porte ilegal de arma de fogo.

O Ministério Público apurou que os lucros advindos da prestação de serviços eram divididos isonomicamente, ou seja, 50% (cinquenta por cento) para o escritório responsável por influenciar os municípios a fazer a contratação e os outros 50% (cinquenta por cento) para o escritório contratado e responsável pela efetiva prestação de serviços.

Em alguns dos municípios houve a solicitação, por parte do Prefeito Municipal responsável pela contratação, de pagamento de vantagem ilícita, no valor de 20% do valor efetivamente pago a título de honorários. O Ministério Público afirma que parte dos valores solicitados foi paga.