No final do mês abril foram divulgados nas redes sociais vários vídeos e fotos de uma dolina no Rio Santa Catarina. As imagens mostravam o buraco engolindo a água em parte do rio. Elas foram bastante disseminadas e se tornaram destaque na imprensa local e regional, gerando grande preocupação aos moradores da cidade de Vazante.

Muitas pessoas acreditam que o problema é causado, em parte, pelo trabalho de mineração feito pela empresa Votorantim Metais. Atualmente, 4.860 metros do leito do Rio Santa Catarina está seco, sendo que, 2.500 metros se encontram no interior da propriedade da empresa.

Entretanto, quando começaram a ser divulgadas as fotos e os vídeos a empresa emitiu uma nota sobre o assunto. Nela, ela fez o seguinte esclarecimento: “Em função do período de estiagem que aflige todo o noroeste mineiro e parte da região central do Brasil, o rio Santa Catarina secou em cerca de 5 km. A Votorantim Metais confirma que 2,5 km se encontram no interior de sua propriedade. Monitoramentos técnicos demonstram que no período hidrológico julho/16 – junho/17, o registro de chuvas é de apenas 55% da média alcançada nos últimos 10 anos. Tamanha irregularidade de chuvas agrava ainda mais a baixa disponibilidade hídrica do rio, acarretando trechos secos.

Quanto aos abatimentos de solo, eles são característicos do ambiente cárstico em que Vazante está situada, com a ocorrência de dolinas naturais. Especificamente em relação àquela mencionada na reportagem, ela pode se agravar em função dos processos erosivos atuantes no leito, sem interferência do processo minerário…”

Ainda conforme a nota, a empresa informou que está tudo de acordo com a legislação. “A Votorantim reforça seu compromisso de preservar o meio ambiente nas regiões onde opera, atuando de acordo com a legislação e regulamentos técnicos.”

De acordo com as informações coletadas junto a Polícia Ambiental, as fiscalizações estão sendo feitas como pede a Lei, e que, a empresa está cumprindo com as normas ambientais previstas para a atividade minerária. No início do mês, foi realizado o tamponamento da citada dolina. O serviço foi autorizado e acompanhado pela Superintendência Regional de Meio Ambiente (SUPRAM).

Por outro lado, os moradores da cidade de Vazante continuam preocupados com o destino do rio e diariamente se manifestam nas redes sociais. Muitos vídeos e fotos são postados todos os dias dos locais onde a água não corre mais.

A reportagem da Rádio Montanheza ouviu o representando do Ministério Público em Vazante, o promotor Lucas Francisco Romão e Silva, que falou sobre as denúncias feitas nas redes sociais.

Segundo o promotor, o Ministério Público instaurou um inquérito civil para apurar denúncias sobre o Rio Santa Catarina.

Rádio Montanheza