Aquele momento que todo o cruzeirense estava esperando… Depois de dois anos sem chegar à final do Mineiro, eis que agora estamos lá, falta apenas um jogo e será jogão!

Antes da final no futebol, teremos às 10h o Sada Cruzeiro, time multicampeão, considerado por muitos especialistas o melhor time de vôlei do mundo e um dos melhores de toda a história do esporte, em quadra. Enfrenta no Mineirinho o time do Taubaté pela Superliga.

Voltando para a final, o primeiro jogo foi de “dar calo nos olhos”. O Atlético-MG recuado, não subia os laterais e fixou os volantes mais do que o normal. Vindos de um jogo duríssimo durante a semana, com desgaste físico dos jogadores, o objetivo era claro: não queria jogar, queriam levar a decisão para casa sem sofrer gols e com o regulamento debaixo do braço. Bem… Cumpriram o objetivo, o Cruzeiro teve mais posse de bola, chegou mais ao ataque, envolveu o adversário, mas sem levar muito perigo.

Mas essa final envolve muito mais do que apenas o jogo em campo. Nos bastidores a briga tem sido gigante contra a Federação Mineira de Futebol (que é composta por atleticanos) e a diretoria do time revelado pelo Ronaldinho Gaúcho. Primeiro diminuíram a pena de suspensão do Fred, fazendo com que o atacante pudesse jogar o primeiro jogo. Depois escolheram um árbitro que tem errado sistemicamente contra o Cruzeiro. Como se não bastasse, o Cruzeiro propôs para que as finais fossem com torcida dividida, ambos jogos no Mineirão, estádio que a PM garante que consegue fazer a segurança, mas foi negado pela diretoria atleticana e acatado pela FMF, sendo o segundo jogo da final levado para o Horto (estádio do América) com torcida única do Atlético-MG (com a alegação que a PM não poderia fazer a segurança se tivessem duas torcidas).

Mas em meio a tanta articulação e reunião, depois de encontros com o Bruno Vicintin (Vice-Presidente de Futebol Celeste) e com Zezé Perrella (Ex-Presidente do clube) a PM voltou atrás e garantiu que consegue fazer a segurança no Horto para as duas torcidas. Com isso, o Cruzeiro tem o direito a ocupar 8% do estádio. Interessante é que após a nota da PM, tanto o Bruno Vicintin, quanto Zezé Perrella (que pleiteia novamente o cargo de presidente) quanto o Castellar (Presidente da FMF) publicaram nas redes sociais vangloriando e reivindicando autoria pelo feito.

Após todos os problemas a diretoria do outro lado da Pampulha resolveu dificultar ainda mais. Colocou o ingresso no setor cruzeirense a 160 reais. Mas mais uma vez a diretoria celeste interviu e vai pagar parte do valor dos ingressos, diminuindo o preço do ingresso em 100 reais, passando a custar 60 reais para o torcedor.

De fato, o que a torcida do Cruzeiro quer é o título. O time de Mano tem jogado muito na retranca, o que foge do estilo quase secular do Cruzeiro. Queremos ver o time jogando pra frente, encurralando o adversário. Queremos ver os volantes soltos, os laterais apoiando, Arrascaneta dançando com a bola, o Thiago Neves fazendo as vezes de garçom, Sobis e Ábila botando a bola no fundo da rede. Queremos ver o Henrique levantando a taça, queremos ver o Cainunca comemorando seu primeiro título em terras canarinhas. Queremos ver o goleiro Rafael, cria das categorias de base dar a sua primeira volta olímpica como titular. Queremos ver a volta do Dedé sendo corada em alto estilo. Queremos gritar, queremos chorar, queremos ficar roucos. O Cruzeiro é isso! La Bestia Negra é contra tudo e contra todos! E nós? Ah… Nós somos loucos, somos Cruzeiro…

Por: Ed Júnior (Cruzeirense apaixonado e que por pedido da blogueira Karen – que estava em compromisso e não podia deixar os leitores na mão -, escreveu brilhantemente essa prévia)